TRACUNHAÉM

A cidade de Tracunhaém foi distrito de Nazaré da Mata até o dia 20 de dezembro de 1963. Entretanto a sua história tem início ainda no século XVII. Em verdade temos que lembrar que toda a nossa região foi inicialmente habitada pelos índios, como bem demonstra o nome que a cidade recebeu. De acordo com estudioso Teodoro Sampaio, a palavra Tracunhaém significa “Formigueiro” ou Panela de Formiga. Tradições contam que sempre havia confusão com os índios e eles se comportavam como um formigueiro em movimento. Foi a procura do Pau-brasil que levou os colonos portugueses para região no século XVII, especialmente após a expulsão dos holandeses, ocorrida em 1654.

No início do século XVIII, houve tentativas de estabelecer engenhos na região. Quando ocorreu a guerra entre Recife e Olinda conhecida como Guerra dos Mascates, senhores de engenho de Olinda organizaram uma Liga de Tracunhaém para atacar Recife. Bernardo Vieira de Melo, senhor de engenho e Sargento Mor de Olinda, foi organizador da Liga. Nessa luta é que Bernardo Vieira de Melo pretendeu criar uma república em Olinda, mas eles foram derrotados, presos e enviados a Portugal.

Nesse mundo da cana de açúcar, Tracunhaém conseguiu relevância por conta da arte cerâmica, a produção artesanal do Barro a partir dos anos sessenta do século passado. Os anos sessenta foram de muitas mudanças em nossa região e foi um período de valorização da cultura popular.
Muitos tracunhaenses fizeram a fama e a arte da cidade. Vamos falar de alguns: Nuca de Tracunhaém é famoso pela criação de seus leões sentados e jubas exuberantes; Zezinho de Tracunhaém e sua família (sua esposa Maria, seus filhos Nildo, Cláudio e Nando) são criadores de santos; Baé – Manuel Leão Machado ficou famoso com seus casais dançantes; Betinho, Carlos Roberto produz uma arte erótica; Amaro e Berenice produzem peças utilitárias e que são dirigidas também para decoração de ambientes; Severino de Tracunhaém (morto em 1965) foi considerado o maior criador de brinquedos da região; sua mulher Lídia Vieira (morta em 1974) também foi considerada uma das mais perfeitas esculturas em terracotas.

Rodeada por canaviais, Tracunháem tem população de 14 mil habitantes e, como outras cidades da região apresenta carências diversas, como resultado da alta concentração de renda que diminui as perspectivas de vida da sua juventude. Além da cerâmica, Tracunháem possui uma tradição cultural ligada aos Blocos de Carnaval, sendo o Bloco Andaluza, fundado em 1963, o que ainda se mantém em funcionamento. E o Maracatu Estrela de Tracunhaém, organizado por Mané do Boi, é um dos símbolos da cidade. Aqui devemos lembrar que Mané do Boi foi agraciado pela presidência da República com a Medalha do Mérito Cultural, no ano de 2011.

Texto escrito por Severino Vicente da Silva
Pesquisado em site do Promata, do IBGE, Wikipedia, Pernambucânia

(Programa do dia 12/02/12)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *