ASSOCIAÇÃO MUSICAL 15 DE NOVEMBRO

É o Passado Musicando o Presente

           Nas pequenas cidades ou nas grandes metrópoles, a banda de música, agremiação de grande simpatia popular, tem a missão nobilíssima de despertar o ser humano para as coisas boas da vida, espelhando cultura para todos. Ela é o passado  musicando o presente. Só a banda faz “a gente sofrida despedir-se da dor, o homem sério parar de contar dinheiro, a rosa triste e fechada se abrir, o velho fraco esquecer-se do cansaço e dançar, a moça feia debruçar na janela, a lua cheia que vivia escondida surgir e a cidade toda se enfeitar”, como canta Chico Buarque de Holanda.

                Na antiga Lagoa Seca, atual Upatininga, a música, a arte poética sonora, sempre esteve anexada às tradições e as culturas de cada época. A Banda Musical 15 de Novembro de Lagoa Seca foi fundada no dia 17 de junho de 1888, mas em 1889, em homenagem a proclamação da República, a Banda passou a chamar-se 15 de Novembro. Desde sua formação e organização, em 1888, que recebeu da população o carinhoso nome de “pelada”, teve o padre Antônio Januário da Silva, como ponto de apoio e referência.

                    Durante muitos anos, a Banda 15 de novembro aprimorou e animou as festas dessa comunidade, especialmente a de Nossa Senhora do Bom Despacho nos dias 01 e 02 de Fevereiro,  bem como as do natal, ano novo e carnaval. Os valores musicais da Banda 15 de Novembro são transmitidos de forma sistemática, graças à existência de uma escola nomeada de Maestro José Lopes de Andrade, que possui em sua própria sede. Por ser uma Banda tradicional, prestigiada e considerada, era sempre convidada para abrilhantar e tocar em várias cidades. Sociedades Musical como a 05 de Novembro, de Nazaré da Mata, mais  conhecida popularmente por Revoltosa, é uma dádiva da 15 de Novembro. A “Revoltosa” começou seus primeiros ensaios em nossa localidade e se apresentou pela primeira vez em Lagoa Seca, com instrumentos cedidos sob o consentimento do vigário José Carlos Marinho, em 05 de Novembro de 1914.

                    A Banda 15 de Novembro tem sido e será celeiros de bons músicos. Citemoa alguns: Alfredo Bilhinda, tocava Bombardino; Rosivaldo do trombone; Luiz João, tocava tuba; Vicente Lopes, tocava prato; Luiz Lopes, tocava clarinete; Ridalson, tocava sax; Antonio Rodrigues, tocava tuba, e era considerado o melhor tubanista da região em sua época; Edmilson e Zeca de Bií, tocavam trompa; Zezé de Tila, tocava Clarinete, foi para a Marinha como músico da 15 de Novembro, hoje é aposentado mora no RJ, e veio nos prestigiar e matar as saudades tocando na Banda neste ano de 2012 na festa de Fevereiro. Esses e tantos outros que fizeram história musical neste rincão.

Bons Maestros ocuparam a regência da 15 de Novembro, como: Eufrásio Silva, José Doda, José Lopes de Andrade, Alexandre Silva, Sargento Dinda, Manoel Florentino de Brito, Sandroberto Marques, Hermes Gomes, foi aluno da 15 de Novembro e Maestro da “capa Bode”.

José Maria Corrêa, o mais enfatizado que a regeu por mais de 20 anos. Zé Maria, como era conhecido, veio de Campina Grande PB, para Lagoa Seca, à procura de um bom celeiro musical e cultural na região. Zé Maria, foi aluno do ilustre capitão José Lourenço da Silva (capitão Zuzinha),que veio da “Saboeira” de Goiana com finalidade de renovar o campo musical de Lagoa Seca e Nazaré da Mata, sendo também maestro da “Capa Bode”, hoje a “Capa Bode” segue sobre a regência do jovem Maestro José Messias.

                 No decorrer de sua história, a Banda 15 de Novembro teve presidentes e pessoas que realmente gostavam e gostam dela. Doaram-se em prol do seu brilhantismo e crescimento, tais como: José Ermírio de Moraes, Maurício Tavares de Andrade, Severino Gomes de Andrade, Sisto Lourenço de Freitas, José Lopes de Andrade e hoje sobre os cuidados de Leonardo Luiz da Silva. Tantos outros.

                 Importante polo cultural, esta Banda vive até os dias atuais rompendo, não sem dificuldades, os obstáculos da sua longa e bela trajetória.

  Texto escrito por: Leonardo Luiz , Upatininga, outono 2012.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *