São Lourenço da Mata

Os Tupinabás habitavam as matas que ficavam entre os rios Capibaribe e Beberibe, era um porção da Mata Atlântica, hoje quase não existente, pois dela se tirou a madeira para construção de casas em Olinda, Recife, navios para Portugal e muito da madeira que serviu para reconstruir a cidade de Lisboa, após o terremoto de 1750.

Os Tupinabá lutaram muito contra os colonos portugueses que aqui chegaram com Duarte Coelho para a sua Capitania de Pernambuco. Vinte anos de guerra e o território foi conquistado e os Tupinabás adaptaram-se aos colonos. Muitos fugiram, outros se tornaram brasileiros, ou seja, cortadores de pau-brasil, madeira muito desejada pelos portugueses. Os colonos marcaram sua presença com a sua religião e ergueram uma capela sob a invocação de São Lourenço, na colina onde está hoje a Matriz de São Lourenço.

A região também foi transformada em produtora de açúcar de cana, com a montagem de algumas fábricas ou engenhos na margem do Rio Capibaribe, que já eram em número de sete quando ocorreu a invasão dos holandeses em 1630. Mas além dos engenhos, a região foi um espaço para a existência de cabanas isoladas, onde viviam lenhadores, homens livres que miscigenavam com os primeiros habitantes.

No ano de 1775 o povoado de São Lourenço foi feito distrito do Recife, mas adiante, vila criada em 1890.  Foi feita cidade, oficialmente instalada em 1904, e tornado município de São Lourenço em 1939. No ano de 1943 voltou a ser São Lourenço da Mata.

Além do distrito Sede, São Lourenço tem em Matriz da Luz, o segundo distrito. Matriz da Luz foi no século XVI, sendo uma das mais antigas construções religiosas do Brasil. Era um engenho e um povoado tão rico que possuía duas igrejas: a Matriz da Luz  e a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.

Quem nasce em São Lourenço da Mata é são-lourencense. Embora atualmente São Lourenço esteja sendo mais conversado como o local onde está sendo construído uma Arena de esportes onde, possivelmente ocorrerá alguns jogos da copa do mundo, podemos notar, que é um município rico em história e com um grande patrimônio arquitetônico que deve ser visitado, conhecido como parte de nosso passado e presente. A região é tão rica que voltaremos a conversar sobre ela em outra ocasião.

Texto escrito por: Severino Vicente da Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *