TRADIÇÕES DO NATAL

A cada dezembro temos a festa de Natal, a festa de aniversário do Menino Jesus, nascido a mais de dois mil anos e que faz parte da fé religiosa de muitos, mas faz parte da cultura de todos nós. Ainda que alguém em nossa sociedade queira esquecer para quem é a festa de Natal, ele vai estar presente em alguma dessas festas. Claro que a festa do Menino Jesus atualmente tem muitos convidados que se esforçam para tomar o lugar mais importante da festa. O Menino Jesus não se importa com isso, ele continua dormindo, como a nos ensinar que a vida é um constante nascimento. Nascemos a cada dia do ano, como o sol, como o Menino Jesus.

Nos dias atuais o mais famoso convidado para a festa é o Papai Noel. Esse personagem era um bispo cristão que nos dias das festas natalícias do Menino Jesus, saia para dar presentes aos pobres e animava a todos a fazerem o mesmo com os seus familiares, amigos e vizinhos. Fossem eles pobres ou ricos. Para o bispo Nicolau todos nós merecemos um presente porque nós somos o retrato do Menino Jesus. Então, todos os que dão algum presente são a personificação do Papai Noel. Não precisa ser um presente caro, como o ouro, a mirra ou o incenso, que, segundo a tradição mais antiga, os Reis Magos, os Reis do Oriente, como diz a canção do Cavalo Marinho, foram levar para o Menino Jesus. Vejam como é bonita essa festa de Natal! Quando a gente dá um presente para alguém, é como se a gente fosse o Papai Noel ou um dos Reis do Oriente, e quando a gente recebe o presente é porque alguém nos vê  como o Menino Jesus.

Ao longo dos séculos a festa de Natal, o aniversário do Menino Jesus foi realizada de muitas maneiras. São Francisco de Assis inventou de fazer um presépio, parecido com esses que alguns colocam em suas casas, nós vemos nas igrejas e mesmo em algumas praças de nossas cidades. Parte de nossas tradições são portuguesas e é de lá de Portugal que nos veio a dança do Pastoril, que antigamente era muito dançado e cantado nos pátios das igrejas. As pastoras pedem licença para cantar a alegria do Menino Jesus ter nascido. E essa foi uma alegria tão grande  que muita gente aparece, como as ciganas do Egito e também os animais, como as borboletas e os astros como as estrelas. Juntando muitas tradições, nossos antepassados inventaram o Cavalo Marinho, uma festa que também tem os Reis do Oriente e a Estrela mais bonita, que faz o Mateus e Bastião ficarem calados porque foi São Gonçalo do Amarante que nos ensinou a dançar sem cair nas barrocas do terreiro, que são os obstáculos da nossa vida.

Tudo isso faz parte de nossas tradições, de nossa cultura, da beleza de nossa alegria que aparece com maior intensidade nesse período do ano que termina mas que anuncia a chegada de outro.

O PROGRAMA QUE HISTÓRIA É ESSA DESEJA A TODOS UM FELIZ NATAL; deseja que todos sejamos Papai Noel, que todos sejamos Reis do Oriente, que todos comecemos de novo a viver como o Menino Jesus, louvado pelas pastoras e pelas ciganas do Egito.

Texto escrito por: Severino Vicente da Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *