Vicência

Há uma relação histórica entre Vicência e Nazaré da Mata. Essas terras eram parte da Capitania de Itamaracá e começaram a ser efetivamente ocupadas a partir do final do século XVIII, após a anexação definitiva da Capitania de Itamaracá à Pernambuco. Assim, já em 1821 havia uma capela em Laranjeiras sob a invocação de São Joaquim. Região intermediária entre o litoral e os interiores de Pernambuco e Paraíba, foi quase natural que os Almocreves e Tropeiros parassem no rancho de Sá Vicência para reabastecer e descansarem das viagens, nas proximidades do Rio Siriji, isso já pelo entorno de 1850.

Dona Vicência Barbosa de Melo era devota de Santa Ana, a Santana, esposa de São Joaquim, mãe de Maria que veio a ser a mãe de Jesus. Interessante que as imagens de Santana sempre a mostram com um livro, ensinando a uma menina. Para reverenciar a sua padroeira, Dona Vicência fez erguer uma capela, que foi inaugurada em 1859, sob a orientação do Frei Caetano de Messina.

Assim foi formando-se um povoado que se forma em torno da capela e do rancho de “Sá Vicência”, mais tarde veio a ser criada a cidade de que tem o seu nome.

Vicência foi elevada à condição de vila em 1894, sendo sede municipal, logo revogada em favor de Nazaré por decreto do governador Alexandre Barbosa Lima. Finalmente Vicência veio se tornar-se autônoma em setembro de 1928.

Hoje Vicência tem uma população acima de 30.000 habitantes, espalhada nos distritos de Vicência, Murupé (antigamente, Sapé).

O Censo de 2010 mostra Vicência com 265 professores, 58 escolas, sendo mais da metade voltada para o ensino básico e 3 escolas do ensino médio; a cidade conta com um sistema de saúde totalmente municipal.

Feijão. Milho, banana e a cana de açúcar são as riquezas principais, mas ainda mantém um ativo comércio.

Os engenhos do Vale do Siriji, construídos desde final do século XVIII foram sendo engolidos pelo avanço da Cana de Açúcar para alimentar as usinas da região. Entretanto, o Engenho Poço Comprido foi tombado como patrimônio histórico pelo IPHAN, vem sendo administrado pela ASSOCIAÇÃO DOS FILHOS E AMIGOS DE VICÊNCIA, mantendo um Ponto de Cultura que anima os artesões locais e promove aulas para turistas.

Vicência é famosa pela prática de voo livre, utilizando o Pico da Serra da Mascarenha. Também chama atenção a festa dedicada a Senhora da Conceição, devoção do engenho Jundiá. Mas um dos maiores patrimônios de Vicência é teatro de mamulengo do Mestre Calu.

Vicência, como todas as nossas cidades é rica em histórias, memórias e criações culturais.

Texto escrito por Severino Vicente da Silva

Pesquisado em site do Promata, do IBGE, Wikipedia, Pernambucânia

One Comment on “Vicência

  1. Filho de Vicência, gosto muito da região, minha infância foi sempre ai,
    parabens pelo seu relato, e´uma grande história.
    abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *