SOCIEDADE MUSICAL CURICA

Tradições culturais são muitas as encontradas em Goiana, uma delas é a Banda Curica. Carrega consigo o título de Patrimônio Cultura Vivo de Pernambuco, reconhecimento oficial no ano de 2005, pelo governo do Estado através da FUNDARPE. A Banda Musical Curica tem uma história iniciada em 1848, quando começou a sua ação sob o nome de O GRUPO DE JOSÉ CONRADO. José Conrado, por ser filho de português era conhecido como Boca do Cravo, que é como os goianenses apelidavam os portugueses que moravam na cidade. Inicialmente eram doze os músicos que formavam a banda, fundada na Igreja do Amparo, dedicada a Nossa Senhora do Amparo, padroeira dos homens pardos.

Ku’rika é o nome de um pássaro que grita de maneira estridente, um papagaio muito barulhento que vivia nas matas e nos mangues de Goiana. Conta-se que uma senhora de nome Iría perguntava por que é que a música grita tanto, até parece uma Curica? E então o Grupo de José Conrado passou a ser a Banda Curica, nome que é mantido com muito orgulho.

Quando o imperador Pedro II visitou a Província de Pernambuco, foi até a Goiana e pode ouvir a apresentação da Banda Curica  no dia 6 de dezembro de 1859, sob a batuta do maestro Ricardinho. Aquele era o tempo em que a Curica era a banda marcial do Batalhão da Guarda Nacional em Goiana.

A Curica é a mais antiga banda musical de toda a América Latina e participou ativamente dos grandes momentos da história de Goiana, e mantém rivalidade com a Saboeira, fundada no ano de 1855. Documento escrito por Bernardo José da Gama, o segundo Barão de Goiana, nos permite imaginar que quando as bandas se encontravam havia briga, confusão e sangue derramado. – “Viva a Curica! Morra a Saboeira! Viva a Saboeira! Morra a Curica!” eram gritos que se ouviam quando as bandas se cruzavam após as serenatas nas noites goianenses do passado. Hoje sem os confrontos de antigamente, ainda se mantém uma surda e civilizada competição.

A Curica se faz presente em festividades cívicas e religiosas, além de atuar em bailes na cidade e nas cidades vizinhas. E nas festas de comemoração do fim da escravidão em 188 e da Proclamação da República em 1889, a Curica foi a grande animadora na cidade de Goiana.

Desde 8 de setembro de 1848 que a Sociedade Musical Curica vem em constante renovação, formando músicos que são referência nacional José Lourenço da Silva, mais conhecido como Capitão Zuzinha. Nesses 164 anos de atividade ininterruptas, Foram 33 os maestros que dirigiram a Curica.

Desde 1930 a Sociedade Musical Curica tem sua sede ao lado da Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, na Rua do Rosário, mas já esteve na Igreja do Amparo,Rua da Conceição, na Rua da Viração, Rua Santa Tereza e na Rua do Meio. Desde 1939 que a Curica mantém uma Diretoria feminina, cujas atividades eram a manutenção da organização da sede, promoção de atividades sociais, fiscalizar os bailes para evitar abusos e recepcionar os convidados.

Hoje dizemos: Vida Longa à Sociedade Musical Curica, Patrimônio Vivo da Cultura de Pernambuco.

Fontes: www.bandacurica.com

AMORIM, Maria Alice. Patrimônios Vivos de Pernambuco. Recife: Fundarpe. 2010.

Texto escrito por: Severino Vicente da Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *