Buenos Aires, Pernambuco

Situada na Zona Mata norte do estado de Pernambuco, a cidade de Buenos Aires era um antigo distrito da cidade de Nazaré da Mata, que foi efetivamente elevado à categoria de cidade em 20 de dezembro de 1963, através da lei estadual Nº 4970. Sua origem remonta ao século XVIII, tempo da implantação da cultura da cana-de-açúcar mas também da produção para a subsistência de seus habitantes. Região de terra fértil para o cultivo da cana, é um terra de engenhos para fabrico do açúcar e de aguardente.

As terras que hoje compõem Buenos Aires pertenciam a Manoel Francisco de Sales e, a partir de 1842, a região passou a ser mais povoada. O povoado cresce em torno da capelinha do engenho dedicada a São Benedito. Eram muitos os engenhos da região, os mais famosos eram Criméia, Conceição, Bandeirantes, Cavalcanti e faziam parte de Nazaré da Mata. Em 1889, o segundo proprietário do engenho, Antônio Gomes de Araújo, fundou um povoado inicialmente conhecido pelo nome de Jacu, em virtude da grande concentração dessa ave, uma espécie de galináceo preto que abundava naquela região e hoje é não mais encontrado, pois perdeu o lugar de moradia e sua alimentação preferida com a derrubada dos cafezais qua alí havia no início do século XX, além das matas para dar lugar a expansão da lavoura canavieira.

Jacu passou para denominação de Buenos Aires em 1928 quando se tornou vila, e a troca do nome parece ter sido sugerida por um padre de fala espanhola que teria achado a região de muito Buenos Aires.  Ainda a esta época, subordinada à cidade de Nazaré, que só veio modificar o nome para a atual Nazaré da Mata em 1943. Permaneceu subordinada como distrito a esta até dezembro de 1963, sendo este distrito a sede da atual cidade. Atualmente está subdividida pelo distrito sede e o de Lagoa do Outeiro, além dos povoados de Chã do Mautez e Chã das Mulatas.

Localizado a 79 km de Recife, Buenos Aires faz divisa com Vicência ao norte, e Carpina ao sul, ficando a leste de Nazaré da Mata e a oeste de Limoeiro. Com uma área de 93 km² e ocupada por uma população aproximada de 12.537 habitantes, com densidade demográfica de 134,80 hab./km². Com altitude de 149m do nível do mar, sua precipitação pluviométrica anual é de 1.175,4mm e clima tropical chuvoso, onde os meses de janeiro e dezembro são os de chuvas mais intensas.

Além da atividade econômica predominantemente baseada na cultura da cana-de-açúcar com 229 mil toneladas, o artesanato também constitui uma atividade de grande retorno econômico para cidade. A produção agrícola ainda conta com 30 toneladas de Abacate, 2100 toneladas de bananas, 10 toneladas de laranjas, 32 toneladas de mangas, 84 toneladas de batata doce, 300 toneladas de mandioca além de fava, feijão e milho.

As principais atrações turísticas estão no artesanato, voltado principalmente para confecção de adereços dos grupos culturais como o caboclinhos Índio Brasileiro, o Tupi Guarani e os maracatus – Leão Mimoso, Leão Vencedor, Estrela Dourada, Leão Coroado, Leão Vencedor das Flores – além do turismo rural que leva o visitante à contemplação dos engenhos antigos, como Criméia e Bandeirantes, e capelas de construções coloniais. De serras de Buenos Aires também se podem contemplar as cidades vizinhas e toda paisagem típica de canaviais da zona da mata pernambucana.

Embora a padroeira da cidade seja Nossa Senhora do Bom Parto, cuja festa é realizada no dia 6 de fevereiro, São Sebastião e Nossa Senhora das Dores também recebem louvores dos habitantes da cidade.

Sérgio César Ramos

Severino Vicente da Silva

Referências

FONSECA, Homero. Pernambucânia: o que há nos nomes da nossa cidade. 2. ed.Recife. CEPE, 2008. 246p.

Internet:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Buenos_Aires_(Pernambuco)

http://www.ibge.gov.br/cidadesat/painel/painel.php?codmun=260270

Wilkipédia;

IBGE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *