BIU ROQUE

João Soares da Silva, ficou conhecido como Biu Roque. Nasceu no ano de 1934, em Condado, então distrito de Goiana. Como todo menino filho de cortador de cana, aos oito anos de idade, Biu Roque começou a sua Vida Severina, trabalhando no canavial, passando por todas as tarefas que ocupam um trabalhador braçal naqueles  anos quarenta. Mas, ao mesmo tempo que aprendia manejar foice, cavalo, enxada, o menino Biu Roque acompanhava as brincadeiras que aconteciam nos sítios e aprendia os ritmos, as loas, os versos do Cavalo Marinho e de todos os muitos brinquedos que estavam sendo criados e recriados pela criatividade dos homens e mulheres trabalhadores nas terras dos engenhos que forneciam cana para as usinas.

Biu Roque aprendeu a cantar principalmente com a sua mãe, e foi assim que desenvolveu uma maneira única de cantar, uma voz prima que parecia uma voz Feminina. Com ela entoava as muitas toadas do Cavalo Marinho, ali nos povoados com os mais pobres deliciando seus ouvidos e almas com as muitas histórias que saiam rimadas da boca e da alma de Biu Roque, como a que fez para sua  amada Maria: seu “doce da melancia” .

Biu Roque durante muitos anos fez parte do banco do Cavalo Marinho do Mestre Batista formado por Adeodato, Luiz Paixão e Zé Roque. Depois organizou o seu próprio grupo o Cavalo Marinho Boi Brasileiro. Muitos aprenderam de sua experiência, como Siba, o cantor de rock que redescobriu suas raízes, estudou a cultura criada pelo povo da Mata Norte, virou Mestre de Maracatu e organizou o grupo Mestre Ambrósio. Após algum tempo Siba criou o Fuloresta do Samba e Biu Roque foi apresentado para além das  terras pernambucanas em shows e um cd. Uma viagem à Europa. No ano de 2009 recebeu o premio Culturas Populares, do Ministério da Cultura.

Alguns falarão que ocorreu um reconhecimento tardio à arte e ao talento de Biu Roque. Este programa diz que não: O mestre Biu Roque sempre foi reconhecido pelo seu povo, sempre foi respeitado.  Biu Roque, como outros mestres seus companheiros de bancos e noites de Cavalo Marinho, foi um herói que lavrou a terra com suas mãos, pondo as bases da riqueza dos donos de terra dessa região. Tendo morrido em Biu Roque foi e é um herói continuador e construtor de uma cultura brasileira e pernambucana, com sua poesia, com a simplicidade e clareza de voz prima que encantou a todos os que o conheceram.

http://www.cultura.gov.br/site/2010/04/26/culturas-populares-16/  visitado em 20/7/12

http://www.biuvicente.com/blog/?p=816

Texto escrito por: Severino Vicente da Silva

One Comment on “BIU ROQUE

  1. Querido mestre, Parabéns por ser asssim sempre maravilhoso naquilo que faz. Essa história é linda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *