São Severino do Ramo ou dos Ramos

Em Paudalho, nas terras do Engenho dos Ramos, há uma bela igreja dedicada a Nossa Senhora da Luz, a padroeira do engenho. A igreja de São Severino do ramo fica a cindo quilômetros da entrada de Paudalho.

Nossa Senhora da Luz era a devoção da dona do engenho. Hoje o engenho não mais funciona, mas ainda está ali uma antiga estação de trem. O Engenho Nossa Senhora da Luz era uma parada os comboios que se dirigiam para Carpina, Limoeiro ou Nazaré, Timbaúba. No final do século XIX era grande a produção de açúcar de cana e de algodão na Mata Norte e no Agreste. Estava havendo uma mudança na economia da região, embora fosse uma mudança conservadora, pois os antigos escravo e agregados dos engenhos e usinas pouco ganhavam com esse progresso que chegava. Mas se hoje o Engenho Nossa Senhora da Luz não mais funciona, a sua capela recebe romeiros o ano todo, especialmente entre os meses de setembro a janeiro.  Homens, mulheres de todas as idades vão visitar São Severino do Ramos ou Severino do Ramo.

 São Severino do Ramo é a principal devoção do povo mais simples e pobre da Zona da Mata Norte, na sua maioria, trabalhadores dos canaviais. É uma devoção recente na região, tudo indica que foi iniciada no final do século XIX. À época o engenho pertencia à família Cabral de Mello. Era costume um dos filhos de senhor de engenho estudar para tornar-se padre e um deles trouxe uma imagem de São Severino Mártir, um soldado romano que vivera no tempo do imperador Diocleciano. A imagem do santo foi posta em um altar lateral da capela do Engenho Nossa Senhora da Luz. Logo os moradores identificaram-se com o santo, representado morto com as suas vestes militares. O altar mais visitado passou a ser o do santo mártir. Milagres começaram a ser ditos e proclamados. Cada vez mais gente vinha passar o dia com o santo, pagar promessa. Enquanto o engenho se tornava fornecedor de cana para as usinas, o cortador de cana ia visitar o seu santo. Severino passou a ser  um nome querido e comum entre os pobres.

Os milagres continuavam, a fonte que sempre tem água, a poucos metros da capela começou a ser levada para casa. As pessoas sentiam-se e sentem-se curadas ao lavar o rosto, beber a água de São Severino.

São onze os santos católicos com o nome de Severino, e é no dia 8 de janeiro que se celebra um deles, importante bispo na história da Áustria. Mas sobre São Severino Martir, sabe-se pouco dele e o povo, também pouco conhecido pelos poderosos,  começou a dizer que ele era o São Severino do Ramo. E, muitas histórias existem para dizer que ele teria lutado contra os holandeses, que era um homem que vinha cansado de um guerra e parou para descansar perto do rio e foi ficando por ali. Não importa, o que importa é que São Severino do Ramo passou a ser o santo dos cortadores de cana e que, todo ano recebe, o ano todo, a visita de seus devotos. Mas é no Domingo de Ramos que tem mais gente para louvar o santo.

Tendo passado sua infância em engenhos da região de São Lourenço da Mata é provável que João Cabral de Melo Neto tenha recebido influências dos muitos Severinos para escrever a Morte e Vida Severina.

Não esqueça, vá visitar São Severino dos Ramos ou do Ramo, o Santo soldado que veio de Roma para  cuidar da Mata Norte.

Fonte: 

http://engenhosdepernambuco.blogspot.com.br/p/engenho-m.html

Texto escrito por Severino Vicente da Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *